sábado, 16 de dezembro de 2017

Oração pelos Homens



ORAÇÃO PELOS HOMENS
Deus de Infinita Bondade!
Perdoa-nos se te pedimos compaixão em favor dos homens, no Plano Físico.
Eles te solicitaram conhecimento superior e abriste-lhes escolas.
Entretanto, em se iluminando pela inteligência, muitos deles apenas procuram destaque pelo dinheiro e com menosprezo aos seus irmãos.
Rogaram-te liberdade e inspiraste-lhes leis justas e sábias, com que senhoreassem a independência, em regime de responsabilidade.
Contudo, muitos deles truncam ou confundem os textos legais para que os mais fortes se façam opressores dos mais fracos.
Insistiram contigo para que lhes desses melhores condições de vida com os familiares e enviaste-lhes os recursos preciosos ao levantamento de habitações confortáveis.
No entanto, posseando semelhantes valores, muitos deles amoleceram na ociosidade e no tédio que se lhes faz consequente, entregando os próprios filhos a mãos mercenárias pelas quais são orientados fora de Teu Nome, favorecendo lhes à deriva para orgulho e viciação.
Suplicaram-te possibilidades de vencer a distância e o tempo e permitiste-lhes a descoberta de engrenagens que os transportam facilmente de um polo a outro da Terra.
Eles, porém, já conseguem abordar a própria Lua, sem que muitos deles se disponham a aceitar a mínima ponte de amor para a comunicação com vizinhos e amigos, no intuito de auxiliá-los.
Pediram-te providências que lhes suprimissem a dor e cedeste-lhes os medicamentos de misericórdia, com os quais se confiam sem preocupação aos tratamentos de alivio e cura.
Mas muitos deles desencaminham semelhantes bênçãos, convertendo-as em corredores para a fuga, anulando os talentos da vida no fogo da leviandade e no gelo da delinquência.
Deus de Infinita Sabedoria!
Os homens na Terra e nós outros, os companheiros de evolução, vinculados ao mundo somos todos irmãos.
As consequências dos erros de alguns são as dificuldades de todos.
Compadece-te de nós e não nos deixes perpetrar o delito da ingratidão.
pelo Espírito Meimei - Do livro: Somente Amor, Médium: Francisco Cândido Xavier

Fábula simples



FÁBULA SIMPLES
Quando o diamante já talhado se abeirou da pedra preciosa, saída de cerro áspero, clamou, irritadiço:
― Que coisa informe! Rugosidades por todos os lados!... Que farei de semelhante aborto da Natureza?
E roçou, com superioridade, sobre a pedra bruta.
A pobrezinha, mal saída do solo em que dormira por milênios, sentindo-se melindrada, tentou reclamar, entretanto, ao observar o clivador, cheio de esperança na utilidade que ela podia oferecer, calou-se.
Findo o dia, o operário recebeu o salário que lhe competia e contemplou-a, tomado de gratidão.
A pedra intimamente compensada, esperou.
No dia seguinte, veio o martelo cônico e, desapiedado, riu-se dela, exclamando:
― Nariz de rochedo, quem teria o mau gosto de aperfeiçoar-te? Porque a infelicidade de entrar em comunhão contigo, seixo maldito? 
O cristal sofredor ia revidar, mas vendo que o trabalhador, que mobilizaria a massa contra ele, o mirava com enternecimento, preferiu silenciar, entregando-se paciente à nova operação de lapidagem.
Sabendo, em seguida, que o operário obtinha, feliz, substanciosa paga, reconheceu-se igualmente enriquecido.
Mais tarde, apareceu o pó de diamante, que gritou, irônico:
― Porque a humilhação de trabalhar essa pedra amarelada e baça? Quem teria descoberto esse calhau feio e desvalioso?
A pedra ia responder, protestando; contudo, reparou que o lapidário a fixava com respeito, denotando entender-lhe a nobreza interior, e, em homenagem àquele silencioso admirador de sua beleza, emudeceu e deixou-se torturar.
Quando o lapidador recolheu o pagamento que lhe cabia, deu-se ela por bem remunerada.
Logo após chegou a mó de polir, que falou, mordaz:
― Esta velha cristalização de carbono é indigna de qualquer tratamento... Que poderá resultar dela? Porque perder tempo com este aleijão da mina? 
A pedra propunha-se aclarar a situação; contudo, notando a jubilosa expectativa do artífice que lhe identificara a grandeza, aquietou-se, obediente, e suportou com calma todos os insultos que lhe foram desferidos sobre as faces, até que o próprio polidor a acariciou, venturosamente.
Sem perceber-lhe o valor, o diamante talhado, o martelo, o pó de diamante e a mó viram-na sair, colada ao coração do operário, em triunfo, permanecendo espantados e ignorantes, na sombra da suja caverna de lapidação em que a presença deles tinha razão de ser.
Passados alguns dias, a pedra convertida em soberbo brilhante foi engastada no cetro do governador do seu país natal, passando a viver, querida e abençoada, sob a veneração de todos.
Se encontras-te no mundo criaturas que se fizeram diamante descaridoso, martelo impiedoso, pó irônico ou mó sarcástica sobre o réu coração, suporta-as com paciência, por amor daqueles que caminham contigo, e espera, sem desânimo, porque, um dia, transformada a tua alma em celeste clarão, virás à furna terrestre agradecer-lhes as exigências e os infortúnios com que te alçaram à glória dos cimos!...
pelo Espírito Irmão X - Do livro: Contos Destas e Doutra Vida, Médium: Francisco Cândido Xavier

Assunto de todos



ASSUNTO DE TODOS
Se já te reconheces na condição de alma imperecível, compadece-te dos outros e diminui os problemas que lhes possam alcançar o coração.
Qual te ocorre, todos eles carregam consigo necessidades e lágrimas.
Esse adquiriu débitos de grande porte e despenderá longo tempo para ressarci-los; aquele mora num espinheiro em forma de lar; aquele é portador de enfermidades irreversíveis; aquele outro ainda traz o coração retalhado de angústia por haver perdido um ente amado nos labirintos da morte.
Se sabes no caminho onde se oculta alguma pedra, capaz de ferir os pés alheios, procura retirá-la, em silêncio, sem criar complicações. Se conheces algum episódio desagradável, acerca da vida de alguém, cala-te e ora pela paz desse alguém, porque não conheces a estrada que trilharás amanhã, em cujos obstáculos poderás perder o próprio equilíbrio.
Não faças perguntas que funcionem por lâminas revolvendo o coração dos que te ouvem e evita as questões dolorosas que a tua palavra seja incapaz de resolver.
Aprende, em tua convivência, a nutrir a união e a paz, a esperança e o bom ânimo, buscando esquecer indagações suscetíveis de levantar qualquer comentários maledicentes.
Compadece-te de todos, mas especialmente daqueles que vivem junto de ti.
Não cortes a mão que te auxilia, nem derrubes o telhado que te protege.
Ama somente e acertarás.
pelo Espírito Meimei - Do livro: Somente Amor, Médium: Francisco Cândido Xavier